Passado e Presente de Dois Córregos - SP

O Que é o Radioamadorismo

“O RADIOAMADORISMO É UM HOBBY CIENTÍFICO COM DIVERSAS MODALIDADES. O RADIOAMADOR É A PESSOA QUE PROCURA MANTER FUNCIOANDO UMA ESTAÇÃO DE RADIOCOMUNICAÇÃO, ORA PARA COMUNICADOS E CONVERSAS INFORMAIS BEM COMO PARA CONCURSOS E COMPETIÇÕES NACIONAIS E INTERNACIONAIS. ALÉM DOS “BATE-PAPOS” E CONTESTES, O RADIOAMDOR PODE AUXILIAR AS AUTORIDADES DE DEFESA CIVIL NAS SITUAÇÕES DE RISCO E CALAMIDADES PÚBLICAS, LEVANDO AS COMUNICAÇÕES AOS MAIS LONGÍNQUOS RINCÕES”

1) PONDERADO - O Radioamador é ponderado e atencioso e jamais usará sua estação para prejudicar a atividade dos demais;

2) LEAL – O Radioamador é leal e oferecerá sua lealdade, encorajamento e apoio aos seus companheiros, ao seu clube local e à sua entidade que o representa em seu país;

3) PROGRESSISTA – O Radioamador é progressista e manterá sua estação sempre atualizada tecnologicamente, conservada e bem instalada e operando com eficiência;

4) AMISTOSO – O Radioamador é amigo e paciente com os demais colegas, principalmente se forem iniciantes. Aconselha e auxilia os principiantes. Presta assistência e colaboração. Considera e coopera com o interesse alheio. Estas são as características do espírito do radioamadorismo;

5) EQUILIBRADO – O Radioamador é equilibrado. O rádio é seu passatempo e ele nunca permitirá que o seu hobby interfira em quaisquer de seus deveres e obrigações domésticas, profissionais, escolares ou para com a comunidade em que vive;

6) PATRIÓTICO – Sua estação e o suas habilidades sempre estão disponíveis para prestar serviço ao seu país e sua comunidade.

O Radioamadorismo é um hobby democrático, que não tolera discriminações sociais, raciais ou políticas. Pouco importa para o Radioamador se seu colega do outro lado não compartilha das mesmas crenças ou orientações políticas e muito menos se ele é de uma ou outra raça. O radioamadorismo forma uma imensa comunidade mundial onde as diferenças não existem e o que importa é que todos tenham o mesmo interesse comum.







19 de ago de 2016

Cristais sob encomenda

Repasso esta importante dica do colega Adnei.
Com o fim das atividades DE PEQUENO VAREJO da Sobretom no Rio de janeiro (atual PIEZO), que era uma das únicas empresas que ainda cortavam
cristais SOB ENCOMENDA EM PEQUENA QUANTIDADE, muitos colegas experimentadores ficaram literalmente "na mão", pois a única empresa que sobrou era a Hosonic, do Paraná, cujos preços estavam alcançando a beira do absurdo (aproximadamente U$ 20,00 a unidade!).
No entanto, consegui descobrir qual foi a empresa que comprou o antigo maquinário da Sobretom, para dar sequencia na produção: é a empresa AEC CRISTAIS, de São José dos Campos-SP:

http://www.aeccristal.com.br/

Foram eles que compraram o maquinário "artesanal" da SOBRETOM/PIEZO (que por sua vez, era sucessora da RCB- Rádio Cristais do Brasil). O telefone da AEC CRISTAIS é (12) 3201-7000 ou (12) 3201-7003, e podem falar diretamente com o João Manoel, que é a pessoa encarregada para receber encomendas. 
O preço de cada cristal na AEC está em torno de R$ 26,00 a unidade, muito mais em conta do que os U$ 20,00 que a Hosonic vem pedindo, algo proibitivo para  pequenos montadores e experimentadores. Ah, a AEC também monta cristais no encapsulamento HC-51 (com soquete), algo que nem todos os demais fabricantes atendem.
No entanto, para determinadas frequências de cristais, vale a pena procurar no comércio, pois existem algumas frequências consideradas "COMERCIAIS", com preços que acabam saindo muito mais em conta. Como tradicionais vendedores desses tipos de cristais, podemos apontar em São Paulo dois grandes vendedores:
- CLA Comércio de Componentes LTDA - Rua Santa Efigênia 308, 1o andar sala 15- Santa Ifigênia - São Paulo (11) 3331-0021 e (11)  3331-2982 - contato com Cláudio ou Nayra.
- CEAMAR Componentes Eletrônicos LTDA -   Rua dos Andradas nº 596-A (11) 3223-7104 e (11) 3361-4461 - contato com Carlos - a Ceamar tem uma lista com as frequências COMERCIAIS que COSTUMA ter em estoque:
http://www.ceamar.com.br/cristais.htm  (atenção: o endereço que consta NA PÁGINA não está atualizado!)
Além dessas empresas, temos também algumas outras que trabalham com cristais, mas com uma política de vendas mais voltada para GRANDES QUANTIDADES em produção industrial:
PIEZO tecnologia LTDA - (21) 2509-8008 ou (21) 2509-6403 - http://www.piezo.com.br/
HIB HOSONIC Industrial do Brasil LTDA - (46) 3220-8800 (Pato Branco-PR) - http://www.hib.com.br/ OBS: (cobram cerca U$ 20,00 a unidade (!) para "encomendas especiais" em pequenas quantidades
Espero ter sido útil.
73,
Adinei, PY2ADN

10 de ago de 2016

Primeira Radioamadora Brasileira


Odette Cecy Chaves começou a operar como radioamadora com o indicativo de BZ7-AB, Belém -PA, a partir de 1.926. O grande motivador para o ingresso no radioamadorismo foi seu pai, Américo Lins de Vasconcellos, que através de revistas norte-americanas se empolgou pelo radioamadorismo.Na época, os radioamadores operavam exclusivamente em telegrafia, motivo era que a fonia ainda era difícil a realização. Observando que não era bom em telegrafia o pai de Odette organizou um "cursinho" com auxílio de um técnico e professor dos Correios e Telégrafos, e os alunos eram membro da família. Entre todos apenas dois concluíram o curso Odette e seu primo Alberto Mota Filho, que submeteram aos exames de habilitação e foram aprovados.


Seu pai construiu uma estação e Odette começou a operar com BZ7-AB seu indicativo. E realizou vários contatos com Rio de Janeiro, São Paulo, Santos e com outras poucas que existiam na época Depois realizou DX com quase todos os países que existia radioamadorismo, sendo considerada como um grande sucesso o fato de ser mulher e radioamadora (YL) na atividade que praticamente só existia homens  Odette recebeu e enviou cartões e fotos, infelizmente não se pode mostrar algo pois foram extraviados em viagem feita para São Paulo, nos anos trinta. Segundo as suas lembranças se recorda do contato que mais lhe emocionou, um contato com um submarino, e, do operador marinheiro recebeu uma foto e QSL.


Houve muitas modificações na sua estação e Odette nunca chegou a operar em fonia, teve aumento de potência de 7,5 watts para 15 watts, isto foi comprovado em QSL remetido a José Luis de Novais, SB1-AZ, em junho de 1.927, muitos pesquisadores pensavam mas não se confirma, Odette nunca foi telegrafista profissional. Ainda usou os seguintes indicativos: BZ7-AB  -  SB7-AB  -  PY7-AB e seu último indicativo PY8-AB.
A partir de 1.930, Odette, com sua família começou a fazer frequentes viagens e começou a declinar a sua atuação amadorística, comprova-se através das revistas QTC de 1.930 a 1.934 a total ausência de estações do Norte do Brasil. Foi escrito nas páginas 63 do QTC número 3 do mês de janeiro de 1.935. Lê-se: Pará, Amazonas, Acre, Perfeito QTR. PY7-AB, que foi sempre uma entusiasta do radioamadorismo, não se fez mais ouvir. É pena, porque PY7-AB era sempre ouvida com grande prazer. Em pesquisas feita por Geraldo Peçanha dos Santos e por AN-EP (estas pelas leituras da LABRE à revista QTC constaram o seguinte, em ato publicado no Diário Oficial de 23/04/1.932, o Ministério da Aviação do Governo Provisório, determinou a cassação da licença de Odette, para estação transmissora instalada em sua residência) o referido ato não menciona a estação de radioamador ou indicativo ou mesmo o tipo de estação. Em 14 de janeiro de 1.938 o nome de Odette Cecy Chaves deixa de constar na lista de radioamadores do Pará. (ocasionalmente houve inclusão em outras listas).
De janeiro a novembro de 1.935 foi a primeira delegada geral da LABRE/PA, com jurisdição nos estados do Pará, Amazonas, Piauí,  e territórios do Amapa, Rondônia e Roraima.





Fonte: AN-EP - Vol - 94.

Primeiro Radioamador Brasileiro


 LÍVIO GOMES MOREIRA
Seus prefixos indicativos eram SB-3IG (BZ-1M) e PY5AG


Natural de São João da Barra, Estado do Rio de Janeiro, onde nasceu no dia 17 de junho de 1876, sendo filho de Manoel Gomes Moreira e Ana Lyrio Moreira, descendentes de portugueses, foi o primeiro radioamador brasileiro, com o indicativo de chamada SB-3IG (também usava o indicativo BZ-1M), em 1909. Seu equipamento foi construído por ele próprio, ao qual deu o nome de “espirocheta”. Realmente tratava-se de complicado conjunto de três “andares”. No “primeiro andar”, como ele mesmo dizia, estavam os três componentes “parecis”; no “segundo andar”, todo feito de pinho, estava embutido o modulador, de 3 watts; e no “terceiro andar” encontrava-se o tanque final, onde também estava colocado o oscilador, que possuía a famosa 6L6, uma válvula usada na época. Havia ainda o RX, construído de todas as peças que encontrou, procurando imitar o SX-17, com pré-seletor, o xtal e o silenciador de ruídos.
Era telegrafista profissional, chefe em Curitiba, inventou, em 1909, um teclado alfabético aplicado ao transmissor Baudot, o “Detector Lívio”, como era chamado por seus colegas e que se destinava a receber as vibrações da telegrafia sem fio.


Em 13 de agosto de 1909, a convite da diretoria dos telégrafos, realizou experiência com seu invento no Rio de Janeiro. O sucesso foi tão grande que o engenheiro da Repartição Geral dos Telégrafos, Francisco Bhering, em viagem para a Europa, encomendou a construção de dois teclados Lívio à Casa Carpentier, em Paris. A encomenda foi feita em outubro de 1909 e os dois aparelhos chegaram em maio de 1910, tendo ficado um na estação do Rio de Janeiro e o outro em Curitiba. Antes da chegada dos equipamentos, em 5 de novembro de 1909, a Casa Carpentier obteve uma patente de invenção, sob o nº. 408.688, de um manipulador perfurador e transmissor em teclado, tal qual o inventado por Lívio Gomes Moreira.
Este, que nunca se preocupara em patentear sua invenção, continuou com suas pesquisas e inventos, limitando-se, até 1924, à escuta de grandes rádio-emissoras européias, de Nauen (Alemanha), Bordeaux e Assise (França). Utilizava um receptor Telefunken, para ondas de 600 a 4.000 metros.
Em 1913 Lívio Gomes Moreira foi agraciado com uma viagem de estudos à Europa onde, cumprindo missão oficial, pode não apenas ampliar seus conhecimentos, como também obter melhores materiais, o que muito contribuiu para a continuidade de suas pesquisas.
Entre outros trabalhos avulsos, além de seus inventos, publicou a obra “Telegraphia - Noções Práticas”, editada em Curitiba, pela Tipografia Haupt, em 1918. Nesta obra o autor examinou detalhadamente os fenômenos elétricos, visando à educação profissional. Tal obra foi considerada uma das mais atualizadas na época de sua publicação.
No radioamadorismo, apesar da precariedade dos equipamentos, em uma tarde de outubro de 1909, às 17 horas, foi realizada a primeira comunicação rádio-telegráfica entre amadores em nosso país. Tal comunicação ocorreu numa distância aproximada de dois quilômetros, pois o aparelho receptor havia sido instalado na antiga propriedade de José Luz (Juca Luz), nos altos da rua Augusto Stelfeld, e o aparelho transmissor, na residência de Lívio Gomes Moreira.
Lívio foi o primeiro a ouvir os sinais emitidos pelo Engenheiro Carlos G. Lacombe, a quem enviou um telegrama relatando o fato. Carlos G. Lacombe agradeceu, em postal datado de 17 de junho de 1924.
Em 1º de dezembro de 1925, após a regulamentação do Decreto nº. 16.657, de 5 de novembro de 1924, Lívio Gomes Moreira conseguiu seu primeiro comunicado com outro radioamador brasileiro, Humberto Silva - BZ-1A, de Nilópolis, Estado do Rio de Janeiro. Essa comunicação ocorreu após uma vigília de cerca de dez noites consecutivas, com intermináveis chamados (CQ), culminando com a audição fraquíssima dos sinais Morse de seu colega fluminense.
A estação de Lívio Gomes Moreira - BZ-1M, depois PY5AG, alcançou rápidos progressos, conseguindo ele, ainda no mesmo ano, mais vinte e quatro comunicações com as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Santos e Niterói. Sua primeira grande distância (DX) ocorreu no dia 18 de janeiro de 1926, com um radioamador argentino (DK-1), de Bahia Blanca.
Graças ao espírito pioneiro e investigativo de Lívio Gomes Moreira, em 27 de junho de 1924, foi inaugurada a Rádio Clube Paranaense - PRB-2, de Curitiba - PR, terceira emissora de rádio do país. Lívio Gomes Moreira foi sócio-fundador e diretor técnico da PRB-2 - Rádio Clube Paranense. A Rádio Clube Paranaense, em determinado tempo, transmitiu da residência do Lívio Gomes Moreira, na Rua Paula Gomes, 110. A Rádio Clube Paranaense integrou-se ao primeiro sistema radiofônico nacional com o prefixo internacional SQ1F, onda de 340 metros e transmissor Pekan.

Em Curitiba, o primeiro radioamador brasileiro dá nome a uma via nos bairros Ahú e São Lourenço. A Rua Lívia Moreira tem quase um quilometro de percurso
e fica em uma zona residencial.

Lívio Gomes Moreira era casado com Emma Feifel Moreira, natural de Stutgart, Alemanha. Deste matrimônio teve um filho que lhe levou o nome e as filhas: Hilda Moreira Pedroso, Carmen Moreira Weiss, Zahira Moreira Vianna, Lívia Moreira Martim e Germana Moreira.
Faleceu em Curitiba, aos 7 de junho de 1946, com a idade de 70 anos.